John F. Kennedy eleito presidente

John F. Kennedy, 43, se torna o homem mais jovem a ser eleito presidente dos Estados Unidos, derrotando por pouco o vice-presidente republicano Richard Nixon. Ele também foi o primeiro católico a se tornar presidente.

A campanha foi dura e amarga. Pela primeira vez, os candidatos presidenciais se engajaram em debates na televisão. Muitos observadores acreditam que o desempenho equilibrado e encantador de Kennedy durante os quatro debates fez a diferença na votação final. As questões, no entanto, também desempenharam um papel na eleição, e a política externa do país foi o principal ponto de discórdia entre Kennedy e Nixon. Nixon aproveitou todas as oportunidades para caracterizar Kennedy como muito jovem e inexperiente para lidar com as incríveis responsabilidades da diplomacia americana da Guerra Fria. (Nixon era, na verdade, apenas alguns anos mais velho que Kennedy.)

LEIA MAIS: JFK: Católico para presidente

Ele defendeu os últimos oito anos de governo republicano, argumentando que O poder soviético foi contido e a força da América aumentou. Kennedy respondeu retratando a política externa durante os anos Eisenhower como estagnada e reacionária. Em particular, acusou os republicanos de perder Cuba e permitir o surgimento de um perigoso “fosso de mísseis”, no qual os soviéticos haviam ultrapassado os Estados Unidos na construção de mísseis capazes de lançar ogivas nucleares. Kennedy prometeu revigorar a política externa da América, confiando em uma resposta flexível a situações em mudança e explorando opções ignoradas pela administração séria e conservadora de Eisenhower.

Kennedy afirmou durante a campanha que esperava enfrentar os desafios enfrentados pela nação mais forte do Mundo Livre. não teria de esperar muito para que esses desafios o enfrentassem. Durante os primeiros meses da presidência de Kennedy, as críticas de Nixon pareciam ter alguma validade. Kennedy parecia oprimido, primeiro pelo fracasso catastrófico da invasão da Baía dos Porcos, depois por uma barulhenta Nikita Khrushchev durante uma reunião de cúpula na Europa e, finalmente, pela construção do Muro de Berlim. E também houve a deterioração estudo no Sudeste Asiático a considerar.

LEIA MAIS: Momentos-chave na crise dos mísseis cubanos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *